Muito dinheiro em disputa: Divisão do fundo eleitoral tem disputa acalorada no PT e provoca bate-boca

Muito dinheiro em disputa: Divisão do fundo eleitoral tem disputa acalorada no PT e provoca bate-boca

Por Edmilson Pereira - em 4 meses atrás 347

A partilha de recursos do fundo eleitoral é fonte de acirrada disputa no PT. O debate chegou a colocar a presidente nacional, Gleisi Hoffmann (PR), e a secretária de Finanças do partido, Gleide Andrade (MG), em campos opostos.

Durante reunião virtual, as duas divergiram sobre os critérios de distribuição para candidatos à Câmara de Deputados, acusando-se mutuamente de tentativa de favorecimento de aliados políticos. Houve bate-boca.

A parcela do fundo eleitoral reservada ao PT é de R$ 499, 6 milhões. Desses, R$ 130 milhões estão destinados à campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Outros R$ 150 milhões são comprometidos, por lei, com as candidaturas das mulheres.

Pela fórmula apresentada pela tesoureira Gleide após uma rodada de negociações com a bancada petista, os deputados do partido que tentam a reeleição terão direito a R$ 2 milhões. A bancada do partido é de 56 parlamentares –o que consumiria R$ 112 milhões.

Segundo o critério definido com Gleide, quatro integrantes da Executiva do PT, ela incluída, terão direito à mesma cota.

Na sexta-feira (5), porém, Gleisi propôs a ampliação dessa lista, chegando a pelo menos 70 candidaturas prioritárias, defendendo a necessidade de garantir governabilidade em uma eventual eleição de Lula.

Segundo relatos, a lista incluiria nomes com potencial eleitoral. Em São Paulo, teria, por exemplo, o presidente estadual da legenda, Luiz Marinho. No Rio, o vereador Lindbergh Farias e o médico Dimas Gadelha, que, em 2020, chegou ao segundo turno na disputa pela Prefeitura de São Gonçalo.

Ainda segundo relatos, Gleide alegou, no entanto, que a ampliação da lista reduziria a cota prometida aos deputados, provocando reação na bancada após longa negociação. Gleisi sugeriu então a exclusão dos nomes da Executiva da lista VIP.

Além da própria Gleide, essa lista inclui o secretário de comunicação do PT, Jilmar Tatto, o ex-prefeito de Maricá e vice-presidente do partido, Washigton Quaquá, e a secretária nacional de Mobilização, Mariana Janeiro.

O secretário-geral do PT, deputado Paulo Teixeira (SP), chegou a sugerir sua substituição na Executiva por outro integrante de sua corrente política, provavelmente Lindbergh, abrindo novo embate.

A reunião acabou suspensa, remarcada e destrinçada em uma série de discussões ao longo do fim de semana. Gleisi concordou em retirar suas propostas, e a lista de candidaturas prioritária foi dividida em subgrupos.

Em seguida foram definidos os nomes dos homens que compõem esses subgrupos. Não houve acordo, porém, sobre as mulheres, exigindo convocação de nova reunião. A lista fechada de candidatas mulheres é quase o dobro da relação de homens, devido à dificuldade de acordos para redução de nomes

Uma outra polêmica será remetida à Executiva Nacional do partido e diz respeito aos dois deputados petistas que votaram contra a ampliação do fundo eleitoral. Como forma de punição, integrantes da cúpula petista propõem que sua cota seja reduzida à metade.

Seguindo a tradição petistas de tomada coletiva de decisões, toda essa discussão vem sendo travada há quase dois meses dentro de um comitê gestor encarregada da definição de critérios para distribuição de verbas e seus beneficiários.

Procuradas, Gleisi e Gleide não quiseram comentar a disputa pelo fundo eleitoral.

Fonte: Paraíba Notícia e Folha de São Paulo