Com um rombo superior a 20 bi; o que aconteceu com a Americanas? Entenda em perguntas e respostas

Com um rombo superior a 20 bi; o que aconteceu com a Americanas? Entenda em perguntas e respostas

Por Edmilson Pereira - em 1 semana atrás 131

Americanas balançou o mercado nos últimos dias, após a renúncia do CEO Sergio Rial (ex-Santander) apenas dez dias depois de assumir o cargo. Entenda, em cinco pontos a seguir.  Varejista identificou inconsistências contábeis da ordem de R$ 20 bilhões em exercícios anteriores, incluindo o de 2022. O conselho de administração da Americanas elegeu João Guerra, o head de RH, como CEO interino. As ações da empresa estavam em leilão por volta das 10h20, com preço de R$ 3, após encerrar o pregão passado negociadas a R$ 12.

O que aconteceu com a Americanas?

Quando anunciou sua saída da empresa, Sergio Rial emitiu um comunicado ao mercado, por meio de fato relevante, reportando um rombo de R$ 20 bilhões nos balanços financeiros da Americanas. Posteriormente, uma análise interna determinou que a dívida pode chegar a R$ 40 bilhões. A companhia pagava fornecedores por meio de uma triangulação com bancos, mas os pagamentos não foram devidamente dimensionados e realizados, gerando a dívida.

A Americanas faliu?

Não. A empresa continua a funcionar, vendendo produtos em lojas físicas e digitais, apesar de estar em fase de contenção de despesas e reavaliação financeira. Exemplo disso foi a saída da varejista do patrocínio do programa Big Brother Brasil, da Rede Globo – sendo substituída pelo Mercado Livre. Segundo interlocutores do mercado, a empresa deve precisar de um processo de recuperação judicial, mesmo com credores concordando em rolar a dívida. A empresa pode receber aportes dos acionistas de referência, o trio por trás do sucesso da Ambev Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles. Porém, uma nova emissão de ações na bolsa de valores, processo chamado de follow on, também deve compor a estratégia de recuperação da companhia.

Como a empresa perdeu bilhões de reais?

A resposta para essa pergunta ainda requer apuração interna nas contas. Especialistas ouvidos pelo Estadão disseram que pode ser tanto um caso de grave erro técnico quanto fraude. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu três processos administrativos para analisar inconsistências contábeis na Americanas. A autarquia também pode abrir investigação contra a PwC, responsável pela auditoria da varejista. O caso também poderá gerar inquérito policial.

O que é risco sacado?

Risco sacado, ou forfait, é um termo usado no mercado para descrever a triangulação e pagamento entre uma varejista, um banco e um fornecedor. A Americanas comprava produtos a prazo de um fornecedor, e um banco adiantava os pagamentos aos fornecedores. Seria como um empréstimo da varejista para pagar o fornecedor. No caso, o “sacado” é o banco, que tirou dinheiro do seu caixa. Apesar de receber o pagamento antes, o fornecedor recebe um valor inferior ao contratual. Enquanto isso, a Americanas (ou qualquer varejista que faça o acordo) paga um valor com juros pelo adiantamento, mas o pagamento é a prazo.

O que significa a queda das ações na bolsa de valores?

Após o caso vir a público, a Americanas desabou na bolsa de valores, com acionistas descontentes com a governança da companhia. O baque foi de quase 80% em um dia, terceira maior queda diária da B3, segundo levantamento da TradeMap. A queda dos papéis da companhia aconteceu porque os investidores corporativos e pessoa física deixaram de acreditar nos fundamentos do negócio neste momento. A queda é reflexo da crise de reputação da marca e faz com que ela perca poder de negociação, por exemplo, em casos de fusões e aquisições, uma vez que seus papéis estão com preços menores do que antes.

Fiz uma compra na Americanas, o produto será entregue?

O Procon já notificou a Americanas para prestar esclarecimentos sobre o impacto da crise financeira da empresa para os consumidores. A varejista também deverá informar se as reclamações feitas por consumidores na plataforma on-line do Procon têm relação com o rombo nas finanças da companhia. No ano passado, foram quase 9,5 mil queixas. A empresa tem até 17 de janeiro para responder ao órgão de defesa do consumidor. No caso de compras feitas via internet, o consumidor pode solicitar o cancelamento antes da entrega dos produtos ou devolvê-los em até sete dias.