Reaproveitamento de resíduos sólidos e descarte, Emlur firma Termo de Cooperação Técnica com TCE para realização de coleta seletiva

Reaproveitamento de resíduos sólidos e descarte, Emlur firma Termo de Cooperação Técnica com TCE para realização de coleta seletiva

Por Edmilson Pereira - em 6 meses atrás 281

A Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) e o Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE) firmaram um Termo de Cooperação Técnica, nesta segunda-feira (13), para realização de coleta seletiva dos resíduos produzidos na Corte de Contas. A Emlur vai realizar uma capacitação com servidores do TCE sobre o reaproveitamento de resíduos sólidos e as maneiras corretas de descarte.

Conforme o superintendente da Emlur, Ricardo Veloso, a solicitação foi feita pelo TCE, a qual foi prontamente atendida. “Estamos contribuindo com a execução do Plano de Logística Sustentável do Tribunal, que é uma política muito importante, considerando que 96% dos resíduos produzidos, no País vão para os aterros sanitários. Aproximadamente 1/3 desses materiais poderiam ser reaproveitados, gerando trabalho e renda”.

O presidente do TCE, conselheiro Fernando Catão, afirmou que o Plano de Logística Sustentável faz parte do Planejamento Estratégico da Corte para o triênio 2022-2024. “Já reduzimos a utilização de papel a 1% do que usávamos anos atrás e de plástico também. Estamos trabalhando em uma mudança de cultura no TCE e queremos fazer o correto descarte de materiais como papelão e isopor, bem como de maquinário e mobiliário”.

O chefe da Divisão de Reciclagem da Emlur, Franklin Linhares, explicou que o trabalho com o TCE vai começar com a realização de oficinas sobre o descarte dos resíduos. A Comissão de Sustentabilidade do TCE vai adquirir um biodigestor para o reaproveitamento de folhas e restos de alimentos da cozinha, com transformação em adubo, e a Emlur vai dar o suporte técnico.

  • “Os resíduos sólidos serão divididos entre inertes e recicláveis. Os inertes são os dejetos orgânicos e materiais como algodão e fraldas, por exemplo, que não têm serventia. Já os recicláveis serão recolhidos pelo caminhão da coleta seletiva e destinado às associações de catadores”, explanou Franklin Linhares.