Deputado Janduhy cobra do governo do Estado solução para o Lar do Menor em Lagoa Seca

Deputado Janduhy cobra do governo do Estado solução para o Lar do Menor em Lagoa Seca

Por Edmilson Pereira - em 6 anos atrás 788

O deputado Janduhy Carneiro (Podemos) usou a tribuna da Assembleia Legislativa da Paraíba, na sessão desta terça-feira (06)  ocasião em que falou da precariedade do Centro Educacional do Lar do Garoto, em Lagoa Seca, que na madrugado de sábado (03) foi palco de uma chacina, com 7 internos mortos, com 3 deles sendo carbonizados, e ainda com 17 foragidos. O deputado Janduhy Carneiro denunciou as péssimas condições de ressocialização da unidade, que tem administração do governo do Estado, através da Fundac – Fundação de Desenvolvimento da Criança e do Adolescente da Paraíba

Segundo o deputado, a comissão dos Direitos Humanos da ALPB integrou a comitiva que fez uma vistoria na unidade e constatou uma situação de ‘desumanidade’. Além das péssimas condições do alojamento, o centro não oferece mecanismo para ressocializar os internos.

“Isso é extremamente grave. É preocupante a situação do Lar do Garoto. Já vimos notas do MPF e do judiciário, vistorias de diversas entidades e poderes e cada vez mais a situação vai se agravando. A comissão da ALPB encontrou péssimas condições de higiene na instituição, com um banheiro sendo usado para todos os garotos. Não tem como recuperar ninguém essas unidades prisionais da Paraíba, que são geridas pelo Governo do Estado”, falou o deputado.

Entenda o caso

Na madrugada do sábado (3), uma rebelião terminou com sete internos mortos e outros dois feridos no Lar do Garoto, unidade socioeducativa no Agreste da Paraíba. As vítimas foram espancadas e seis delas queimadas ainda vivas. Na rebelião 6 internos fugiram. A capacidade do centro é para 44 internos, mas no momento abriga mais de 200.

Segundo a Polícia Civil, a rebelião e mortes foram planejadas e coordenadas por quatro internos que já são maiores de 18 anos. Três deles foram presos em flagrante e saíram do Lar do Garoto para o presídio Raymundo Asfora (Serrotão), em Campina Grande.

De acordo com a direção do Lar do Garoto, após a rebelião foram encontradas facas, barras de ferro e espetos dentro do centro. Dos 25 quartos existentes no local, sete deles foram parcialmente destruídos. Os danos foram na parte elétrica, telhado e grades.