O BELO SEM COMANDO: Orlando Soares desiste da reeleição e agrava crise política, administrativa, financeira e no Futebol do Botafogo-PB

Por Edmilson Pereira - em 1 mês atrás 88

Fotos: Allan Hebert / Botafogo

Verdadeiramente o Botafogo-PB está em crise e grave. No campo, o time realiza a pior das piores campanhas do brasileirão, na série C, com risco iminente de rebaixamente para a próxima temporada. Na parte administrativa e financeira, a crise também é gravíssima. Uma disputa pela presidência do time está na Justiça, agora com um agravante, os candidatos aos cargo de gestor máximo do Belo anunciando que não mais serão candidatos.

Inicialmente, foi Alexandre Cavalcanti, que na sexta-feira (23) desistiu de sua candidatura, alegando manobras da atual diretoria. Nos bastidores afirma-se  Alexandre  seria representante do ex-presidente Breno Morais, denunciado pelo Ministério Público, alvo da Operação Cartola, por envolvimento num esquema de resultados, em meio a suspeito de compra de juízes e outras irregularidades, extra-campo de futebol.

Na manhã deste domingo (25) a assessoria do atual presidente Orlando Soares divulgou um release informando que o mesmo também está desistindo da disputa e, portanto, não será mais candidato a reeleição.

Na parte financeira, a informação que o Botafogo-PB está mergulhado em dívidas, inclusive, com atraso de salários aos jogadores e demais funcionários do clube, e que o atraso de salário pode ser um dos fatores das derrotas em campo, com jogadores fazendo “corpo mole”.

Em meio a tudo isso, nesse sábado (24), foi oficializada a saída do jogador Leo Moura, alvo de muitas críticas de torcedores, e que também era um ponto de discórdias entre os dois grupos que vinham “brigando” pelo comando administrativo do Belo.

Resumo, a crise política, administrativa, financeira e no futebol está instalada no Botafogo da Paraíba e não tem como negar.

Orlando desiste da reeleição

O presidente do Botafogo-PB, Orlando Soares, rebateu as calúnias inventadas pela oposição do clube, que tenta desesperadamente retomar o poder no Belo. A fake news da vez foi a divulgação de forma mentirosa, de que o atual mandatário do Alvinegro teria ameaçado o elenco antes do duelo contra o Santa Cruz-PE, neste domingo (25), pela 12ª rodada da Série C do Campeonato Brasileiro. Segundo o material divulgado pelos oposicionistas, Orlando teria dito ao elenco que só pagaria os salários se vencesse a eleição do clube, marcada para este domingo. O dirigente negou de forma veementemente e confirmou que não será mais candidato à reeleição no pleito de hoje.

“Veja a que nível chegou esse pessoal com essas informações mentirosas, maldosas e maliciosas. O nosso gerente de futebol, que estava na reunião, já tratou de afastar esses boatos irresponsáveis e com claro objetivo de prejudicar não a diretoria, mas o nosso clube antes de um jogo importante”, afirmou Orlando, que completou.

“A informação é tão mentirosa que na sexta-feira, eu já tinha confirmado em reunião que não seria mais candidato à reeleição. A oposição tem feito uma campanha baixa, mas nosso grupo vai sair vitorioso deste processo. Nós só queremos o melhor para o Botafogo-PB, bem diferente deles que mancharam a história do nosso clube”, concluiu.

O executivo de futebol do Belo, Edgard Montemor, que esteve presente nesta reunião, também negou a informação divulgada pela oposição. O profissional ainda confirmou que o elenco está focado no duelo hoje contra o Santa Cruz, às 18h, no estádio Arruda.

“Na reunião de sexta, que contou com a presença do presidente Orlando do Soares, do diretor financeiro Pedro Ruffo e do gerente de marketing Renan Cavalcanti, em nenhum momento foi feita qualquer tipo de ameaça, pelo contrário, desde que fui contratado como executivo de futebol, não vi nenhum tipo de ameaça contra qualquer atleta ou funcionário. Pelo contrario, aqui tem um ambiente de trabalho leve e essa reunião foi para esclarecer os acontecimentos políticos. O que ficou claro foi que os atletas e funcionários iriam receber os salários após a eleição, que o Botafogo iria pagar os salários, independente do resultado. Ficou claro que o clube iria manter seus compromissos em dia, como tem feito há quase um década”, explicou Montemor.

Desesperada pelo poder, a oposição tem usado artimanhas para tentar vencer a eleição do Conselho Deliberativo. No dia 11 deste mês, a chapa comandada por Breno Morais, banido do futebol pela Operação Cartola, conseguiu uma liminar para acrescentar à votação 26 nomes que a haviam sido barrados pela Comissão Eleitoral.

Não satisfeitos, uma semana depois, a chapa “Belo de Verdade” simulou um novo pleito, que foi anulado pelo juiz Ricardo da Silva Brito, da 10ª Vara Cível da Capital, que concordou com a tese da diretoria do clube de que eleição do último domingo não foi convocada previamente e, por isso, não tem validade. A chapa “Botafogo para todos” reconhece apenas a eleição realizada no dia 11 de outubro e vai seguir aguardando a decisão da Justiça.