EMPRÉSTIMOS: Presidente Adriano Galdino promete promulgar cobrança de consignados se governador não sancionar ou silenciar sobre matéria

Por Edmilson Pereira - em 1 mês atrás 218

Aprovado pela Assembleia Legislativa da Paraíba em sessão remota realizada no dia 13 de maio o último, e em meio a muita expectativa dos servidores públicos estaduais, o governador João Azevêdo (Cidadania) tem até esta sexta-feira (05) para sancionar, vetar ou silenciar sobre Projeto de  Lei 1.601/2020 de autoria do deputado Wallber Virgolinho (Patriota), Projeto de Lei 1.601/2020, que suspende a cobrança dos empréstimos consignados, contraídos pelos servidores públicos ativos, inativos e pensionistas, durante o período de 90 dias.

O presidente Adriano Galdino (PSB), em conversa com representantes do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo, nesta segunda-feira (01), assegurou que vai esperar, dentro do prazo legal que o governador João Azevêdo se pronuncie oficialmente sobre a matéria. Na hipótese do governador silenciar (não sancionar, nem vetar),  sobre a proposta de suspensão temporária dos empréstimos consignados,  Galdino anunciou que promulgará o projeto de autoria do deputado Wallber Virgolino.

O deputado Wallber Virgolino argumentou que a matéria busca trazer um mínimo de segurança financeira aos paraibanos, uma vez que está sendo vivenciado um momento de anormalidade em decorrência da pandemia do novo coronavírus. “As pessoas, por recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), bem como das autoridades de saúde em âmbitos federal e estadual, estão cumprindo um período de quarentena, em isolamento social, fato que vem trazendo enormes prejuízos financeiros”, explicou Virgolino. Ainda segundo parlamentar, com a suspensão de pagamentos de empréstimos por 90 dias, os servidores públicos poderão destinar essa renda para o incremento das necessidades básicas primordiais. “Traz um grande alívio em face dos graves impactos financeiros causados pela pandemia ocasionada pela COVID-19”, opinou o deputado.

Relatora da matéria, a deputada Pollyanna Dutra (PSB) acrescentou que o “projeto tem alta relevância, visto que nesse momento, as famílias tiveram suas estruturas financeiras reduzidas”.