EM CABEDELO: Justiça Eleitoral oficializa diplomação do prefeito Vitor Hugo, nesta segunda

Por Edmilson Pereira - em 1 mês atrás 180

A Justiça Eleitoral do Estado, através do TRE-PB, oficializa, nesta segunda-feira (20), a diplomação do prefeito eleito de Cabedelo, Vítor Hugo Casteliano (PRB). A a solenidade diplomação será no Fórum Eleitoral de Cabedelo a partir das 15h e será conduzida pelo juiz da 57ª Zona Eleitoral, Salvador de Oliveira Vasconcelos.

A diplomação é o ato solene por intermédio do qual a Justiça Eleitoral, oficialmente, declara, quem são os candidatos eleitos e os suplentes, entregando aos mesmos os respectivos diplomas devidamente assinados pela autoridade competente (art. 215, parágrafo único do Código Eleitoral).

Vítor Hugo foi eleito prefeito de Cabedelo no dia 17 de março , último, em uma eleição suplementar realizada após prisão e renúncia do então gestor Leto Viana, preso na Operação Xeque-Mate. Dos 46.448 mil eleitores cabedelenses, 23.169 votaram em Vítor, que venceu com 73,07% dos votos válidos.

Vítor Hugo Peixoto foi eleito, em 2016 , vereador de Cabedelo, depois de ter ficado na suplência em 2008 e 2012. Como vereador, foi eleito presidente da Câmara Municipal após o esquema de corrupção desbaratado pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba (MPPB), na Operação Xeque-Mate, que prendeu o então prefeito Leto Viana e cinco vereadores. Outros cinco parlamentares foram afastados do Poder Legislativo Municipal durante a operação.

Após ser eleito presidente, Vítor foi conduzido interinamente à prefeitura onde está desde abril de 2018. No fim do ano, uma manobra política o colocou novamente como presidente da Câmara o levando a ser reconduzido ao cargo de prefeito interino.
Operação Xeque-Mate mudou dia a dia do município

Desde o mês de abril do ano passado, quando foi deflagrada a Operação Xeque-Mate, a cidade de Cabedelo passa por um momento turbulento em sua história política. À época, além da prisão do então prefeito Leto Viana e o do afastamento do já falecido vice-prefeito, Flávio Oliveira, o município ainda presenciou a prisão de cinco vereadores e o afastamento de outros cinco. Servidores da prefeitura e da Câmara Municipal também foram alvos da operação, que identificou um suposto esquema responsável por desviar recursos públicos no município.

Renúncia de Leto

Em outubro do ano passado o então prefeito Leto Viana renunciou ao cargo de prefeito. A Justiça Eleitoral então determinou a realização de novas eleições no município. Isso aconteceu porque a renúncia de Leto aconteceu ainda no primeiro biênio de seu mandato. Caso o afastamento em definitivo ocorresse após esse período, a escolha se daria de forma indireta, e o novo prefeito escolhido apenas pelos vereadores.

Fonte: Redação e portal Correio