Wanderley Filho

por Wanderley Filho - 2 semanas atrás

Wanderley Filho vence edital da FAPESQ e grava filme sobre a história de Felipe Tiago Gomes, fundador da CNEC

O jornalista Wanderley Filho venceu a disputa de um edital lançado pela Fundação de Apoio à Pesquisa da Paraíba (FAPESQ), para a gravação de um documentário sobre a história do paraibano Felipe Tiago Gomes, que foi o maior criador de escolas da América Latina. O Professor Felipe (como também era conhecido) foi o fundador da Campanha Nacional de Escolas da Comunidade (CNEC), que se espalharam pelo Brasil com o nome de escolas cenecistas.

No auge da instituição, na década de 80, a CNEC chegou a ter mais 2100 colégios em todo o território nacional, somando mais de 500 mil estudantes.

O criador da entidade nasceu em 1 de maio de 1921, numa família pobre do Sítio Barra do Pedro, em Picuí – PB, onde começou seus estudos. Foi inicialmente alfabetizado em casa por uma irmã e, em seguida, passou a estudar com uma professora na zona urbana. Para isso tinha que caminhar, todos os dias, 6 quilômetros e ao voltar para casa, ajudar a família no trabalho na agricultura.

Com a contribuição de amigos e familiares deu continuidade aos estudos em Campina Grande-PB e, em seguida, no Recife-PE, onde juntamente como colegas do curso de direito, criou a ideia de dar aulas voluntárias para jovens de baixa renda, o que foi chamado na época de Campanha do Ginasiano Pobre.
Na década de 40 Felipe foi para o Rio de Janeiro, que na época era a capital do Brasil e com apoio governamental, expandiu o projeto pelo país. A ideia sempre foi desenvolver escolas que eram criadas e geridas pelas próprias comunidades, a partir da criação de conselhos escolares.

Toda essa história em detalhes está sendo contada no documentário “O Cenecista”, gravado por Wanderley Filho, que conta com uma equipe de paraibanos e potiguares, a exemplo da jornalista paraibana Valécia Estrela, que divide direção e roteiro do filme com Wanderley. A direção executiva e pós-produção são do cineasta potiguar Raildon Lucena, antigo parceiro de produções de Wanderley Filho.

“Para mim está sendo uma grande satisfação fazer este filme, porque é uma rica e bela história. Eu fui aluno cenecista na minha infância e na época nem sabia que eu estava sendo beneficiado pela criação de um paraibano visionário. Só vim conhecer a história dele anos depois”, afirma o jornalista Wanderley Filho, que costuma dizer ser um “potibano” (mistura de potiguar com paraibano), já que nasceu no RN, mas iniciou a carreira e trabalhou por mais de 10 anos na PB.

Wanderley ficou conhecido em território potiguar por ter criado, em 2009, a primeira TV Web do RN, que se chamou TV Seridó, com sede inicialmente em Parelhas e depois Caicó, em parceria com a Referência Comunicação. A empresa chegou ao fim em 2014, quando Wanderley voltou para a PB para trabalhar na área da comunicação política. Retornou para o RN em 2019, a convite do deputado Francisco do PT, para coordenar a comunicação do parlamentar.

Atualmente o canal Wanderley Filho, no YouTube, tem mais de 63 mil inscritos, contando histórias de pessoas comuns, em forma de reportagens especiais.