Valter Nogueira

por Valter Nogueira - 1 mês atrás

Fatos & Declarações  

Os fatos que passo a narrar neste artigo não são obras de ficção nem mesmo fruto de ativismo político, mas sim realidades registradas com fotos, áudios e imagens de TV. O leitor pode e deve consultar os sites de busca para verificar se há veracidade ou não nas narrativas.

Antes, porém, devo informar que pesquisas de opinião revelam que a maioria do eleitor brasileiro não se interessa por política. E grande parte não se dá ao trabalho de pesquisar o passado de pessoas que se candidatam à cargos públicos.

Ante o atual momento político que vivemos, decidi trazer à tona alguns fatos que podem, de certa forma, explicar atitudes antidemocráticas do governo Bolsonaro.

Quando ainda pretenso candidato a presidente da República, Jair Bolsonaro disse que, se eleito, “implantaria uma ditadura no país”. Afirmou à Imprensa que, se eleito, “fecharia o Congresso Nacional” e que o Congresso não “servia para nada”.

Detalhe: Bolsonaro foi deputado federal por 28 anos; usufruiu do Legislativo. Porém, como estava de saída, numa atitude clara de ingratidão, decidiu cuspir no prato em que comeu, por assim dizer.

Tortura

Em outra entrevista a uma TV, Bolsonaro defendeu a tortura com a seguinte declaração: “Eu sou a favor da tortura; tu sabes disso, né?!”

Machismo

Declarações do então deputado Bolsonaro revelaram o perfil machista dele. Pior foram as atitudes de agressão às mulheres – chegou a agredir verbalmente uma jornalista e, também, a colega deputada federal Maria do Rosário.

Apologia ao estupro

Em deplorável episódio ocorrido nos corredores do Congresso, registrado pela Imprensa, Bolsonaro, de dedo em riste na direção da deputada Maria do Rosário, disse: “Eu não lhe estupro porque você não merece!”.

Insubordinação

Pouca gente sabe, ou lembra, que na década de 1980 o então capitão Jair Bolsonaro foi notícia nacional. Desta vez, por insubordinação a seus superiores.  Foi acusado de planejar explodir unidades militares no Rio de Janeiro. Enfrentou processo na Justiça Militar. Logo após o episódio, Bolsonaro deixou a farda.

Opinião

Penso que um eleitor com o mínimo de bom senso não votaria em um político que revelasse, por exemplo, ser a favor da corrupção – Eu, não voto!

Honestidade deve ser dever e Norte a ser seguido pelos gestores. Estes administram o dinheiro público. Porém, não é só a corrupção que se constitui crime ou ação que deve ser combatida pelo povo em uma democracia.

O fato de ser honesto, e até mesmo acertar em algumas medidas, não dá  direito a um gestor de praticar outros crimes de responsabilidade; de atropelar o direito dos outros, de rasgar a constituição, de fazer valer apenas os seus caprichos.

Última   

Bolsonaro, por suas ações e declarações, como “estou com as armas da democracia na mão”, só não deu ainda um golpe de estado porque não conta com apoio das forças armadas, dos militares da ativa. Tem o apoio, somente, de parte dos militares da reserva (aposentados); estes querem cargos no governo.