Valter Nogueira

por Valter Nogueira - 1 mês atrás

Declarações & Consequências

A palavra é uma arma de aparência frágil, mas pode atingir objetivamente o alvo, com consequências incalculáveis. Entre as declarações feitas pelo presidente Jair Bolsonaro durante a reunião ministerial do último dia 22 de abril, uma chama especial atenção. Falo da “perigosa” intenção do chefe da nação de armar o povo.

A intenção do presidente é, no mínimo, equivocada ante a atual crise política. Do jeito que estão acirrados os ânimos entre simpatizantes e não simpatizantes do presidente, armar o povo poder ser um passo em falso.

A propósito, a intolerância derivou para a violência em recentes eventos ocorridos Brasil afora. Jornalistas atacados com frequência em pleno exercício da profissão; enfermeiros hostilizados em ato público em Brasília.  O intolerante não sabe convier com o contraditório e, por essa razão, por vezes, parte para a agressão.

O respeito ao contraditório deve ser exercício contínuo em um estado democrático de direito. Uma coisa é você ter posição contrária a certas manifestações, com direito a externar sua opinião; outra coisa bem diferente é tentar, com o uso da força, impedir um ato democrático.

Na democracia, deve prevalecer a força do Direito e não o direito da Força.  Questões políticas, econômicas, territoriais e religiosas podem ser motivos que levam um povo a entrar em conflito armado.

Urge a adoção de medidas voltadas à restauração da convivência pacífica no país. Caso contrário, e com armas na mão, estaremos por botar lenha na fogueira, quiçá, incitando um conflito entre pessoas de uma mesma nação.

História

A Guerra Civil Espanhola foi um conflito entre republicanos e nacionalistas pelo governo da Espanha (1936-1939) De um lado, republicanos e a Frente Popular, com setores democráticos e de esquerda. Do outro, forças de direita com apoio de setores das Forças Armadas, sob o comando do general Francisco Franco.

Sucessivas crises políticas levaram o país ao conflito armado.

Resultado

Em três anos de combate, a Guerra Civil Espanhola deixou um milhão de mortes e milhares de desaparecidos. Em 1931, com a vitória de Franco, milhares de republicanos tiveram que deixar a Espanha para não serem presos ou mortos.

Guernica

Guernica foi palco de um dos episódios mais cruéis do conflito. A cidade foi bombardeada por aviões de guerra da Alemanha e da Itália, em 26 de abril de 1937; cerca de 125 civis espanhóis morreram devido ao ataque. A Alemanha nazista e a Itália fascista davam apoio ao general Franco.

Arte

A batalha foi retratada em um painel pintado por Pablo Picasso, intitulado Guernica. A arte mostra a crueldade do ataque aéreo sobre os civis espanhóis da cidade.