ABORTO E DROGAS: Manuela D’Ávila abre mão de propostas para se adequar ao programa do PT

Por Edmilson Pereira - em 1 mês atrás 288

Ao assumir o posto de vice da chapa presidencial encabeçada pelo PT , Manuela D’Ávila deixou de lado duas das principais bandeiras que empunhou nos nove meses em que rodou o país como pré-candidata a presidente pelo PCdoB : a defesa da legalização do aborto e a tributação das drogas. Os dois temas não constam do programa de governo da candidatura Fernando Haddad registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Manuela ajustou o foco de sua pauta para temas contemplados na plataforma petista, como defesa da igualdade de salários entre homens e mulheres e ampliação das vagas em creches.

Nas 61 páginas no programa de governo da chapa presidencial formada pelo PT e pelo PCdoB, não há qualquer menção ao aborto. Ao apresentar o documento, Haddad argumentou que o assunto será decidido quando o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar a ação proposta pelo PSOL e, por isso, não havia necessidade de incluir o tema entre as propostas apresentadas ao eleitor.

Em entrevistas, ainda como pré-candidata a presidente, Manuela defendia que o aborto deveria ser tratado do ponto de vista da saúde pública com a formalização de uma projeto de legalização.

A defesa da legalização das drogas constava em um manifesto da candidatura do PCdoB ao Planalto. Manuela dizia ser a favor da tributação das drogas e defendia que os recursos arrecadados fossem usados nas comunidades que enfrentam a guerra do tráfico. No programa de governo de Haddad, o tema é tratado de forma tímida.

— O programa de nossa coligação foi construído pelo conjunto dos partidos. Não apenas por mim – justifica Manuela.

A vice diz que pretende continuar defendendo as legalizações do aborto e das drogas e que não deixará de lado esses temas.

— As minhas opiniões são públicas e conhecidas pela população e foram sendo construídas ao longo de 14 anos de mandatos.

Mesmo tendo deixado de lado dois temas que interessam a mulheres e jovens, Manuela, de 37 anos, tem destaque na campanha de Haddad, porque é vista como um trunfo para conquistar eleitores.

O presidenciável e a vice têm feito agendas em conjunto numa frequência maior do que as outras chapas. Integrantes da campanha avaliam que Manuela tem mais facilidade nas agendas de rua do que o candidato. Um aliado lembra que ela está em sua sétima eleição, enquanto o candidato a presidente concorre apenas pela terceira vez. A filha Laura, de 3 anos, acompanha a mãe em algumas atividades de campanha.

Manuela se aliou ao PT em agosto, mas a sua entrada na chapa só foi oficializado no dia 11 de setembro, quando Haddad passou da condição de vice do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a candidato a presidente.

Com exceção das legalizações do aborto e das drogas, a pauta que apresentava já era alinhada ao PT, com uma defesa enfática da inocência de Lula e críticas a medidas do governo Michel Temer, como teto de gastos.

O ex-presidente petista chegou a participar do lançamento da pré-candidatura da comunista, no ano passado. Em abril, quando Lula se entrincheirou no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, antes de sua prisão, Manuela foi ao local prestar solidariedade. Passou as últimas horas na vígila ao lado de Lula.